Sem convencer, Brasil vence Suécia

A quarta-feira foi marcada pela data FIFA onde as seleções realizaram amistosos preparatórios, para suas respectivas competições. Sem convencer, o Brasil venceu a Suécia, por 3 x 0, na despedida do Estádio Rasunda, em Estocolmo, o lendário palco da final da Copa de 1958, dará espaço a um condomínio, e a cidade ganhará uma Arena totalmente moderna, que será inaugurada em Novembro.

Antes da bola rolar foi feita a festividade com alguns dos atletas que estavam presentes na final de 1958, dentre eles, estiveram presentes a grande majestade, o Rei Pelé, que deu o pontapé inicial para a partida, Pepe, Zito e Mazzola, pelo Brasil, além dos Suecos: Johansson, Parling, Simonsso, Gustavsson, Borjesson, Berndtsso, Ohsson e Hamrin; que foram homenageados.

No jogo, o Brasil iria com uma réplica da camisa da época, sem tecnologia nenhuma, portanto, com um peso maior. A reclamação foi geral e os atletas apenas entraram com a vestimenta, mas depois utilizaram a camisa convencional dos tempos atuais, o que não passou de uma grande besteira, já que o peso, a falta de tecnologia não foi desculpa para que os grandes craques do passado, pudessem desfilar um excelente futebol, aquele sim convencia.

A bola rolou, e o Brasil que vinha de uma dolorosa campanha nas Olimpíadas, não demonstrava muito interesse pelo jogo, e apenas fazia uma movimentação lenta. A Suécia sem seu principal craque, Ibrahimovic (que se lesionou na sua estreia pelo PSG, no Campeonato Francês, no final de semana) passa por uma fase de transição, e não é nem sombra daquela Seleção que há alguns anos brigava de igual para igual no cenário Europeu e Mundial.

Mesmo sem forçar, o Brasil conseguiu abrir o placar aos 17 minutos da primeira etapa, Oscar arriscou de fora da área, a bola pegou na trave, e no rebote Neymar foi para rede, porém o assistente marcou impedimento inexistente do craque Brasileiro.

O gol tarda, mais não falha, com maior volume de jogo do que os Suecos, que assustaram apenas uma vez na primeira etapa, com chute de Elm para defesa do goleiro Gabriel; o Brasil abriu o placar, Neymar cruzou, e Leandro Damião de cabeça estufou o barbante.

No segundo tempo, o jogo continuou todo do Brasil, que jogava apenas 'para o gasto', sem convencimento, e em ritmo lento. A Seleção Brasileira buscava ampliar o placar em jogadas de bola parada, Daniel Alves tentou, mas quem passou próximo foi Neymar, que, em cobrança frontal, por pouco não acertou o ângulo do goleiro Isaksson.

Vendo que a equipe pouco produzia, o técnico Mano Menezes resolveu mudar o esquema, e dar mais mobilidade ao setor ofensivo, e conseguiu. Alexandre Pato precisou jogar apenas 15 minutos para fazer dois gols; o primeiro aos 38 minutos, em jogada confusa a bola rebateu dentro da área, e sobrou para o atacante do Milan ampliar o placar. O Segundo gol do avante foi aos 40, em cobrança de pênalti, fechando o placar: Suécia 0 x 3 Brasil.

A vitória não serviu para amenizar as críticas em cima de Mano Menezes, que continua não sendo o técnico dos especialistas, e muito menos do povo, que viu esse jogo mais como uma situação para tentar camuflar os fracassos desse ciclo. A pressão segue grande para a demissão do treinador, mas a CBF segue firme em manter o técnico pelo menos por enquanto, e já definiu o dia 23, para realizar a convocação dos atletas que jogarão contra África do Sul, no dia 7 de Setembro, no Morumbi, e no dia 10, contra a China, no Estádio Arruda, em Recife.